quinta-feira, 30 de julho de 2015

Danilo Gentili é condenado pela Justiça a pagar multa de R$ 2 milhões à Band

Apresentador deixou a emissora do Morumbi um ano antes do fim de seu contrato
Danilo Gentili sofreu um revés da Justiça por ter deixado a Band no final de 2013, assinando contrato com o SBT. O apresentador foi condenado a pagar multa de mais de R$ 2 milhões, de acordo com o colunista Daniel Castro, nesta quinta-feira (30). No ano passado, o ex-repórter do "CQC" foi acusado de não pagar o condomínio do prédio onde vive.
Segundo o jornalista, a decisão foi tomada pela juíza Maria Rita Rebello Pinho Dias, mas Danilo vai recorrer através de seu advogado, Sergio D'Antino. O valor da multa corresponde a dez salários do apresentador do "The Noite". Quando saiu da emissora do Morumbi, onde comandava o "Agora é Tarde" ele tinha ainda mais um ano de contrato. A Band pediu indenização de R$ 2,4 milhões, mas a magistrada reduziu os valores para R$ 1,920 milhão (índices de dezembro de 2013). Atualizado, o montante ultrapassa os R$ 2 milhões.

A emissora do Morumbi também será indenizada por "danos materiais, lucros cessantes" em virtude dos gastos "excessivos" para a contratação da nova equipe do "Agora é Tarde", que chegou ao fim em março e perdas de anunciantes, de acordo com o colunista. Esse montante anda será atualizado, mas o apresentador só vai precisar pagar à antiga emissora os valores que passarem de R$ 1,920 milhão corrigidos.
'Vamos contestar', afirma o advogado
Na opinião de Sergio D'Antino, o valor da multa foi exagerada, pois o apresentador ganhava R$ 80 mil mensais na emissora dos Saad e tinha contrato de pessoa jurídica. Assim, caberia a ele pagar apenas metade do contrato que faltava cumprir. Traduzindo: seis meses ao invés de um ano. Ou, em reais, 480 mil. "Nós vamos contestar", pontuou o advogado de Danilo, vítima de brincadeira de Silvio Santos em relação aos valores gastosem sua contratação.
Ele alega ainda que a Band não anexou provas ao processo, como o anúncio com a montadora Fiat, cujo atual garoto-propaganda é Pedro Bial. "Tudo isso será discutido agora no recurso", finalizou Sergio.
Gentili foi absolvido em acusação de racismo

Em abril passado, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) absolveu o apresentador em processo movido por Thiago Luís Ribeiro Menezes, que lhe acusou de racismo. No Twitter, o apresentador ofereceu uma banana ao internauta. "Que tal pagar pelos seus crimes perante à Justiça brasileira? Vamos ver agora o que um macaco, preto, neguinho, King Kong é capaz de fazer através da Justiça", escreveu Thiago. Mas segundo o TJ-SP, Danilo não teve intenção de agredir o internauta.
(Por Guilherme Guidorizzi)

Danilo Gentili é absolvido pela Justiça após ter oferecido banana a negro


O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) absolveu Danilo Gentili da acusação de ter sido racista em um comentário feito no Twitter, em outubro de 2012. Na ocasião, o humorista ofereceu banana a um internauta negro, mas, para o juiz Marcelo Matias Pereira, da 10ª Vara Criminal, o apresentador do "The Noite" não teve propósito e intenção de ofender a vítima.
"Por mais que a brincadeira tenha sido infeliz e inoportuna, não me parece que tenha restado bem delineado o animus injuriandi, imprescindível à caracterização do crime de injúria qualificada. A piada, ao que tudo indica, se deu pelo fato da vítima ter se intitulado como 'King Kong' e não pela cor de pele", escreveu o juiz na decisão.
No dia 30 de setembro de 2012, Thiago Luís Ribeiro Menezes mandou mensagens no Twitter para Danilo porque estava ofendido com sua suposta postura racista na TV. "Que tal pagar pelos seus crimes perante à Justiça brasileira? Vamos ver agora o que um macaco, preto, neguinho, King Kong é capaz de fazer através da Justiça", escreveu ele para o humorista.
Danilo respondeu, então, no dia seguinte, com uma pergunta. "Sério, vamos esquecer isso... Quantas bananas você quer pra deixar essa história para lá?". Após esse post, Thiago registrou queixa na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância.
'Limites para brincadeiras'


"Se a afirmação do réu tivesse sido feita em uma situação completamente descontextualizada, fora do ambiente em que costuma criar piadas com os 'posts' de seus seguidores, poderíamos pensar naquele intuito de ofender. Por isso, entendo que o acusado tem de ser absolvido", analisou o juiz.
Na decisão, o magistrado também alertou para a responsabilidade que um humorista deve ter em seu trabalho e deixou claro ainda que o processo poderá ser levado para o âmbito cível, uma vez que não há caracterização para seu prosseguimento na esfera criminal.


"O réu tem que entender que há limites para as brincadeiras, ainda mais quando direcionadas a um indivíduo específico, o que tristemente tem sido feito pelos comediantes para chamar atenção da mídia e gerar lucros com eventual 'sucesso' nos meios de comunicação", ressaltou o juiz.
"Aquele que aufere os bônus deve arcar com os ônus de sua conduta, mas a questão poderá, se assim entenderem como pertinente, ser levada ao juízo cível, conforme já assinalado, não restando, neste juízo, responsabilidade devidamente delineada", encerrou.
Polêmicas


A decisão acontece em meio a polêmicas de cunho racistas que vêm acontecendo ultimamente na mídia. Na semana passada, Faustão foi acusado de ser preconceituoso ao chamar o cabelo de uma dançarina negra do corpo de balé de Anitta de "vassoura de bruxa". O apresentador se defendeu das acusações no último "Domingão".


No mesmo dia, o jogador de futebol Daniel Alves enfrentou uma ofensa racista de um torcedor do Villareal, durante um jogo do Barcelona, válido pelo Campeonato Espanhol. Uma banana foi arremessada no campo para o atleta, mas ele se abaixou e comeu a fruta, minimizando o gesto.
(Por Anderson Dezan)



- Danilo Gentili, o "pretenso humorista", responde ao "Instituto" Lula 
(aqui)

VEJA APLICATIVOS QUE PROMETEM MANTER O CÉREBRO BEM TREINADO


Alguns especialistas defendem que treinar o cérebro é tão importante quanto praticar atividade física. Que tal então aproveitar as tecnologias para ajudá-lo nessa tarefa? Confira a seguir aplicativos que prometem deixar seu cérebro 100% treinado (todos possuem versões gratuita e pagas)
Lumosity: É um dos aplicativos mais conhecidos. Ele promete manter o cérebro ativo e melhorar as habilidades cognitivas. O programa foi desenvolvido com a ajuda de neurocientistas. São mais de 23 jogos e você pode montar um treino personalizado, de acordo com as habilidades que deseja desenvolver 



Elevate: Para deixar o cérebro bem treinado, o aplicativo oferece exercícios para desenvolver habilidades como a memória, a capacidade de concentração, as habilidades matemáticas, a velocidade em resolver problemas, entre outros. Você escolhe os pontos que deseja melhorar e recebe um treino personalizado. O programa também foi desenvolvido com ajuda de neurocientistas 


Peak: Seus desenvolvedores o consideram uma ?academia de ginástica móvel para o cérebro?. Ele promete trabalhar com a memória, agilidade mental, resolução de problemas, foco e linguagem por meio de desafios que devem ser jogados regularmente. São mais de 20 jogos com níveis de dificuldade variados. Além disso, ele oferece gráficos de desempenho. O programa também foi desenvolvido com ajuda de neurocientistas 



Neuronation: Os exercícios do aplicativo se comprometem a desenvolver três habilidades: memória, concentração e raciocínio. Basta 10 minutos de prática diária para ver resultados, segundo os desenvolvedores. Nele, você também pode criar um plano de treinamento, de acordo com suas necessidades, em 23 jogos 


Fit Brains Trainer: Reúne jogos para ?aquecer seu cérebro e ajudá-lo a recuperar o foco?. Ele possui mais de 360 jogos e treinamentos que prometem ajudar a memória, raciocínio, concentração, resolução de problemas e habilidades cerebrais visuais. Foi desenvolvido com ajuda de um neuropsicólogo.



Memorado - Brain Games: Com mais de 19 jogos, o aplicativo visa estimular a memória, a concentração, velocidade de resposta e lógica. Foi desenvolvido com ajuda de neurocientistas 


Fonte: http://educacao.uol.com.br/album/2015/07/30/veja-aplicativos-que-prometem-manter-o-cerebro-bem-treinado.htm#fotoNav=4

Gráfica que recebeu R$ 6 mi do PT desperta suspeita da Justiça Eleitoral


A campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição pagou R$ 6,15 milhões a uma gráfica que não tem nenhum funcionário registrado e cujos documentos apontam como presidente o motorista Vivaldo Dias da Silva, que em 2013 recebia R$ 1.490.

A Rede Seg Gráfica e Editora, de São Paulo, aparece como a oitava fornecedora que mais recebeu dinheiro da campanha presidencial petista no ano passado, de acordo com os registros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Funcionários do TSE que examinaram as contas da campanha de Dilma descobriram a situação da gráfica ao cruzar as informações da empresa com o banco de dados do Ministério do Trabalho.

A descoberta fez surgir a suspeita de que a gráfica não tinha a estrutura necessária para prestar os serviços pelos quais foi remunerada pelo PT.

Algumas das notas da gráfica entregues pelo partido ao TSE trazem a afirmação de que a empresa produziu folders para a campanha eleitoral.
As contas da presidente foram aprovadas em dezembro por unanimidade pela Justiça Eleitoral, mas com ressalvas. Por isso, o tribunal continuou analisando os casos que provocaram as ressalvas.
Não é a primeira vez que vem à tona que uma empresa contratada pela campanha de Dilma Rousseff em 2014 tem como dono, nos documentos oficiais, um motorista.

Como a Folha revelou em dezembro de 2014, a Focal Comunicação, a segunda que mais faturou na campanha presidencial de Dilma (R$ 24 milhões), também tinha um motorista (salário de cerca de R$ 2 mil até 2013) como sócio.
A Focal só ficou atrás da empresa do marqueteiro João Santana, destinatária de um montante de R$ 70 milhões.

O empresário Carlos Cortegoso admitiu na época que era o verdadeiro dono da Focal, tendo justificado o registro em nome do motorista como fruto de uma inclinação sua de dar chances para seus empregados progredirem.
A Justiça Eleitoral pediu à Polícia Federal apuração sobre a Focal e outra gráfica, a VTBP, que ganhou R$ 23 milhões da campanha. O TSE agora poderá enviar novo ofício à PF pedindo que investigue também a Rede Seg.

IDAS E VINDAS

Folha visitou a sede da gráfica nesta quarta-feira (29). Segundo Rogério Zanardo, que recebeu a reportagem no local, a Rede Seg pertence a sua família e o motorista Vivaldo não é dono, mas funcionário da empresa.
Ele não soube explicar por que a gráfica está registrada em nome do motorista e afirmou que o maquinário estava desligado porque a gráfica está sem serviço no momento.

"Ele é um bom motorista, não pega guia [de rua] e dirige faz tempo", afirmou.
O irmão de Rogério Zanardo, no entanto, deu versão diferente. De acordo com Rodrigo Zanardo, que se apresentou como gerente da gráfica, Vivaldo é mesmo dono da empresa, além de motorista.

Segundo ele, o maquinário é de propriedade do motorista, que pediu ajuda a ele para administrar a empresa, uma vez que os irmãos são proprietários de outra gráfica, a Graftec.

Segundo consulta feita pelo TSE, Vivaldo possuiu vínculo empregatício entre 2006 e 2007 como eletricista com a Graftec e, de 2009 a 2013, como motorista em uma empresa chamada Artetécnica Gravações, com salário mensal de R$ 1.490.
Mais tarde, o próprio Vivaldo chegou ao local e afirmou ser "sócio" e "motorista". "Eu gosto de trabalhar, e é um rendimento a mais que tenho."

OUTRO LADO

Questionada sobre o gasto de R$ 6 milhões com a gráfica Rede Seg, a Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência informou que a campanha de Dilma Rousseff recebeu várias propostas de prestação de serviços e selecionou as empresas que apresentaram preços mais baixos.
A Secom é comandada pelo ministro Edinho Silva que, à época, atuou como tesoureiro da campanha petista.

"A elaboração do material foi auditada pela campanha e a documentação que comprova a elaboração e entrega do material foi auditada pelo TSE", disse.
A secretaria não informou qual serviço foi prestado pela gráfica à campanha.

A Rede Seg, cujo registro mostra o motorista Vivaldo Silva como presidente, informou, por meio de nota, não haver qualquer irregularidade em suas atividades. "Sendo necessário, informações complementares e documentos serão apresentados oportunamente às autoridades competentes", afirmou.
Rodrigo Zanardo, que se apresentou como gerente da gráfica, disse que a empresa contratou funcionários terceirizados durante a campanha e, por isso, não tem nenhum registrado.

"[Quando] não tem serviço, como vou fazer folha de pagamento?", questionou.
Ele disse que viajou a Brasília para conversar com representante da campanha de Dilma e que a empresa produziu panfletos e folhetos.
Reynaldo Borba, que figura como dono de outra empresa em que Vivaldo trabalha como motorista, a Artetécnica, afirmou não poder dar informações sobre o caso. Ele disse que as relações da Rede Seg e de Vivaldo com a campanha de Dilma não dizem respeito à sua empresa.
COMO A CAMPANHA DE DILMA GASTOU



COMO A CAMPANHA DE DILMA GASTOU

Maiores fornecedores

Polis Propaganda & Marketing LtdaFocal Confeccao e Comunicação VisualLtda EppVTBP Serviços e Midia Exterior LtdaRealiza Express Cargas Aéreas LtdaMack Color Gráfica LtdaOma Assessoria em Pesquisa deOpinião, Mercado e Avaliação...Nix Travel Agência de Viagem eTurismo LtdaRede Seg Gráfica e Editora Eireli EppDCO Informatica Comércio e ServiçosLtdaDoor2door Serviços Ltda Me020,000,00040,000,00060,000,000

Gastos da campanha

Gastos, em R$ milhões18546,321,121,517,611,39,36,3
Publicidade
Doações a outras campanhas
Terceiros (advogados, contadores, cerimonial, etc.)
Transporte
Eventos
Pesquisas eleitorais
Pessoal
Outros

JUIZ SERGIO MORO É APLAUDIDO DE PÉ EM CURITIBA






Em 40 minutos, ele citou a Operação Mãos Limpas, que ocorreu na Itália.

Sérgio Moro falou em evento promovido pelo Instituto dos Advogados do PR.

Fonte: G1 30/07/2015 00h26 - Atualizado em 30/07/2015 09h44

O juiz federal Sérgio Moro foi aplaudido de pé, durante uma palestra nesta quarta-feira (29), em Curitiba. O evento foi promovido pelo Instituto dos Advogados do Paraná. Moro é responsável por conduzir, em primeira instância, os processos relativos à Operação Lava Jato, que investiga, entre outros assuntos, desvios bilionários de dinheiro dos cofres da Petrobras.

A plateia era formada basicamente de advogados, jornalistas e fãs do juiz, que se tornou famoso pela repercussão da Lava Jato. Por força de lei, o magistrado não falou sobre os processos referentes à operação que conduz. No entanto, citou um caso parecido, a Operação Mãos Limpas, que ajudou a reduzir os índices de corrupção na Itália, nos anos 1990, e culminou na prisão de políticos e mafiosos.

O magistrado fez uma comparação apontando semelhanças e diferenças entre a operação italiana e as que atualmente monopolizam o noticiário brasileiro. Para o juiz, o Brasil precisa de reformas estruturais e de uma revisão nas leis. Moro acredita que julgamentos mais rápidos podem ajudar a reduzir a impunidade.
Durante os questionamentos, o juiz também foi indagado sobre a Lei da Transparência. Sérgio Moro considera que a lei precisa ser aplicada em todas as esferas do poder público. "Ela tem que abranger todas as formas de atuação da administração pública, direta e indireta, incluindo aí as empresas estatais. Até pelo gigantesco orçamento e pela importância que essas empresas estatais têm dentro do nosso domínio econômico", pontuou.

Sasha é comparada a Gisele Bündchen em post. 'Queria que fosse comigo', diz Xuxa

Jovem completa 17 anos nesta terça-feira (28) e recebe o carinho da mãe e do pai, Luciano Szafir, em postagens nas redes sociais
Sasha Meneghel está completando 17 anos de vida nesta terça-feira (28) e, durante a madrugada, a adolescente ganhou homenagens especiais nas redes sociais. Uma delas veio de Xuxa, que publicou em sua conta do Facebook uma montagem da jovem. A foto gerou muitos comentários dos seguidores, dentre eles uma comparação à top model Gisele Bündchen. Bem-humorada, a rainha dos baixinhos respondeu: "Ai Cátia, diz isso não... Quero ela parecida comigo... Eu sei que não é, mas é ruim saber que o filho não parece com a gente. Mesmo sendo parecida com a mulher mais linda do mundo, Gisele, queria que fosse comigo".
Horas antes, a apresentadora publicou uma outra montagem da filha em diferentes momentos. "Amor da minha vida. Você é o maior presente de Deus", escreveu a mamãe coruja.
Luciano Szafir, também lembrou a data com carinho e postou em sua conta do Instagram uma foto ao lado da primogênita e do filho David, de 1 ano e 7 meses: "Parabéns minha filhota, amor da minha vida. Minha princesinha cresceu!!!! Te amo para sempre, Papis!". Os posts renderam muitos comentários dos fãs, que também fizeram votos à adolescente: "Parabéns Sasha! Eu te adoro desde pequeninha! Muita saúde, princesa e muitos anos de vida com alegria", desejou um deles.
Sasha ganha declaração de carinho da amiga Bruna Marquezine: 'Te amo muito'
Bruna Marquezine e Sasha Meneghel são amigas desde pequenas e, durante uma festa junina em junho deste ano, Bruna publicou um vídeo em sua conta do Instagram com a seguinte legenda: "Te amo muito". O que era para ser uma foto, se tornou uma filmagem graças a um descuido da pessoa que fazia os cliques. Diante da confusão as duas caíram no riso.
Aliás, Bruna e Sasha são vistas com frequência juntas e, no mesmo final de semana do arraiá, foram clicadas na companhia de mais alguns famosos. Dessa vez, as duas marcaram presença nos bastidores do show de Ivete Sangalo e Criolo na praia de Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro.
Prova de que a amizade já dura alguns anos foi a publicação que Xuxa fez, em maio, dafilha brincando com a atriz, quando as duas ainda eram pequenas. "Olha minha Bruninha 2004 com minha Sashita...", escreveu ela. Desde a época, Sasha já se mostrava mais tímida e no registro é possível vê-la observando a mãe mais de longe. Enquanto isso, Bruna surge toda desinibida e falante ao som de uma música.
(Por Bruna Rossi)

SASHA É COMPARADA A GISELE BÜNDCHEN EM POST. 'QUERIA QUE FOSSE COMIGO', DIZ XUXA
Em seu Facebook, Xuxa relembrou um momento de Sasha ao lado da Eliana

Propina de Duque foi roubada no centro do Rio, diz Lava Jato. É a sardinha engolindo o tubarão




Denúncia do Ministério Público Federal aponta que representante de empresa italiana iria entregar R$ 100 mil em espécie a ex-diretor da Petrobrás, mas foi vítima de assalto.

Por Julia Affonso e Fausto Macedo
O ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque, preso desde março na Operação Lava Jato, 'perdeu' uma propina de R$ 100 mil em 2011. Denúncia da força-tarefa do Ministério Público nesta quarta-feira, 29, aponta que o dinheiro endereçado a Duque foi roubado no centro do Rio, próximo à sede da estatal petrolífera. Os R$ 100 mil estavam em poder do executivo João Antônio Bernardi Filho, representante da empresa italiana Saipem, de serviços de petróleo.
"Entre os meses de janeiro e agosto de 2011, no município do Rio de Janeiro/RJ, o denunciado João Antônio Bernardi Filho, de modo doloso, ofereceu e prometeu o pagamento de vantagem econômica indevida no valor de pelo menos R$ 100 mil ao denunciado Renato de Souza Duque", sustenta a Procuradoria. "Numa ocasião em que o pagamento seria efetivado, João Bernardi foi assaltado com R$ 100 mil em espécie, quase em frente a sede da Petrobrás na centro do Rio de Janeiro."
Esta é a terceira denúncia contra o ex-diretor na Operação Lava Jato. Ele é acusado de favorecer a Saipem na contratação da obra de instalação do Gasoduto Submarino de Interligação dos Campos de Lula e Cernambi. Segundo a força-tarefa, João Bernardi é representante da Saipem.
Na nova denúncia Duque não está só. Também são acusados João Bernardi, a advogada Christina Maria da Silva Jorge, o empresário Antônio Carlos Briganti Bernardi - filho de João Bernardi -, e o lobista Julio Gerin de Almeida Camargo, delator da Lava Jato que declarou ter sido pressionado pelo presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), por uma propina de US$ 5 milhões.
"João Bernardi (representante da Saipem) atuou lavando dinheiro proveniente de crimes de corrupção em favor de Renato de Souza Duque, mediante a utilização das contas das empresas Hayley S/A e Hayley do Brasil para o recebimento e posterior internalização dos valores provenientes de crime. A Hayley do Brasil, por sua vez, ocultava e dissimulava o pagamento de vantagem indevida a Renato de Souza Duque por intermédio da aquisição e posterior destinação de obras de arte ao ex-diretor", aponta denúncia da Procuradoria.
Duque é apontado como elo do PT no esquema de pagamento de propinas na Petrobrás. Ele teria sido indicado ao cargo pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (Governo Lula), que nega.
O ex-diretor da Petrobrás foi preso após a Polícia Federal flagrar a tentativa dele de ocultar patrimônio não declarado na Suíça por meio da transferência de 20 milhões de euros para uma conta no Principado de Mônaco. Duque já é réu em duas ações penais da Lava Jato.
A nova denúncia será submetida ao juiz federal Sérgio Moro, que vai decidir se abre mais um processo criminal contra o ex-diretor de Serviços da estatal.O advogado de Renato Duque, criminalista Alexandre Lopes, não foi localizado pela reportagem.

STF recebe terceiro pedido para tirar de Moro ação que cita propina a Cunha

A defesa de Fernando Soares, apontado como operador do PMDB no escândalo de corrupção da Petrobras, entrou com uma reclamação no STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo que seja suspensa a tramitação, na Justiça do Paraná, da ação penal que cita o pagamento de propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no esquema de corrupção na Petrobras.

Essa é a terceira ação que o Supremo recebe pedindo que o processo deixe de ser comandado pelo juiz Sérgio Moro e seja analisada no STF.
As solicitações anteriores foram apresentadas pelas defesas de Cunha e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, mas ainda não foram decididas pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski, que responde pelo tribunal durante o recesso do Judiciário.

O ministro pediu esclarecimentos a Moro antes de deliberar.

Foi neste processo que o lobista Julio Camargo fez referência ao pagamento de propina de US$ 5 milhões ao deputado. O parlamentar nega ligação com o escândalo.

A ação do lobista, que era conhecido como Fernando Baiano, também critica à conduta de Moro nas investigações da Lava Jato. Segundo a reclamação, o juiz teria uma inclinação "indisfarçável" em favor da acusação.

Ele afirma ainda que Moro adotou dois pesos e duas medidas ao permitir que o lobista Júlio Camargo citasse o pagamento de propina, sendo que em outros depoimentos "afastava para longe de Curitiba qualquer referência a parlamentar cujos nomes não poderiam ser declinado para não comprometer a artificial competência" do juiz, sendo que parlamentares só podem ser alvo de investigação no Supremo.

MACULADA

A defesa de Fernando Baiano também questiona a validade da delação premiada de Júlio Camargo. Os advogados argumentam que a colaboração de Camargo perdeu a validade diante das versões diferentes apresentadas por ele, sendo que, por exemplo, não acusou Cunha.

"Na medida em que o 'colaborador' alterou, por completo, sua versão dos fatos, nove meses após ter celebrado acordo de delação, claro está que ficou sem nenhuma validade o quanto dito anteriormente, ruindo a tese acusatória, traduzida em denúncia, lastreada em falsa premissa", disse.

"Por onde anda a verdade? Estará a realidade retratada no asseverado por Julio Camargo em 31 de outubro de 2014 ou a partir de 16 de julho de 2015? Mentiu no início ou no final? E no meio?", questionou.

Os advogados dizem ainda que diante das alterações na delação o Ministério Público foi ludibriado por Camargo. "A delação premiada feita por Julio Camargo está maculada, não pode ter mais nenhum valor jurídico, seja pela Lei, seja pelo acordo celebrado com o órgão de acusação."

A ação questionada trata de corrupção na contratação de navios-sonda pela Petrobras. Além de Fernando Baiano e Camargo, respondem a essa ação penal o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da área internacional da estatal Nestor Cerveró.